18 de July, 2024
INVESTIGADORES da GNR desfazem gang organizado em assaltos a veículos
Segurança

INVESTIGADORES da GNR desfazem gang organizado em assaltos a veículos

Jun 27, 2024

Notícia publicada às 16h33

A GNR não exclui a hipótese de um gang organizado, especializado em crimes contra o património e desmantelado pelo Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial de Sintra, ter praticado furtos no interior de veículos em áreas de veraneio do concelho de Cascais.

Este gang era constituído por sete homens e duas mulheres com idades entre 21 e os 40 anos, todos detidos no âmbito de uma operação anticrime lançada esta quarta-feira na Região Metropolitana de Lisboa e na Margem Sul e durante a qual foram executados 13 mandados de busca domiciliária e sete não domiciliárias, em veículos e, ainda, dado cumprimento a cinco mandados de detenção emitidos por Autoridade Judiciária e detidos quatro suspeitos, em flagrante, por tráfico de produtos estupefacientes, posse ilegal de arma de fogo e favorecimento pessoal.

Os suspeitos estão indiciados dos crimes de furtos, posse de armas ilegais, recetação, falsificação de documentos, corrupção e auxílio material.

MAJOR Ferreira da Silva

Segundo disse, a Cascais24Horas, o Major Ferreira da Silva, Comandante do Destacamento Territorial da GNR de Sintra, “tratou-se de uma investigação, que durou mais de seis meses” e culminou agora, com sucesso, no desmantelamento de  uma rede organizada que praticava essencialmente furtos em veículos, com particular incidência em autocaravanas, que visitavam a Vila de Sintra e outras áreas turísticas”, não estando descartada a forte possibilidade do gang ter atuado nos últimos tempos também no concelho de Cascais.

Ainda de acordo com o mesmo oficial superior da GNR, “a atividade criminosa, permitia ao grupo manter um esquema de escoamento dos bens furtados para um recetador, o qual obtinha elevada vantagem patrimonial”, para além de contar com a cumplicidade de uma loja de informática que ajudava a “limpar os conteúdos do material informático furtado” e que depois os colocava à venda.

A operação contou o reforço da estrutura de Investigação Criminal do Comando Territorial de Lisboa, da Polícia de Segurança Pública (PSP), dos Comandos da Territoriais de Setúbal e de Santarém, bem como do Grupo de Intervenção Cinotécnico (GIC) da Unidade de Intervenção (UI).

No decurso da ofensiva anticrime foi possível aos investigadores criminais da GNR de Sintra confiscarem seis armas de fogo, entre pistolas e revólveres, várias munições, diversas armas brancas, entre as quais um, boxer, uma catana e facas de abertura automática, além de três veículos ligeiros e dois motociclos avaliados em mais de 50 mil euros

Joias e relógios furtados, avaliados em, pelo menos, 60 mil euros, bem como divisas monetárias de países estrangeiros furtados a turistas, seis bicicletas, avaliadas em mais de 5 mil euros, diversos artigos e equipamentos informáticos, malas e bolsas de marcas exclusivas, também fazem parte do rol confiscado nesta operação.

As buscas judicialmente autorizadas permitiram, ainda, apreender documentos de identificação pessoal das vítimas dos furtos, documentos de veículos, vários aparelhos eletrónicos e pequenos eletrodomésticos e 3.700 euros em dinheiro, além de doses de drogas leves e duras.

Os nove suspeitos detidos começaram a ser esta quinta-feira submetidos a primeiro interrogatório judicial junto do Tribunal de Sintra, mas as medidas de coação só deverão ser conhecidas esta sexta-feira.

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *